top of page
Logo (Transparente).png

A diferença entre poupar e dever R$50


Se um correntista tivesse depositado R$ 50,00 na poupança em qualquer banco, no dia 1º de julho de 1994, data de lançamento do Real, teria na conta após 15 anos a quantia de R$ 137,00. Tudo bem, parece pouco. Agora por outro lado, se esse mesmo correntista tivesse sacado R$ 50,00 no Cheque Especial, na mesma data, teria após esse período uma pequena dívida de R$69.429,50, no mesmo banco. Ou seja, com R$50 do Cheque Especial, ele ficaria devendo dois carros populares, e com o da poupança, conseguiria comprar apenas um pneu. Não é à toa que os bancos são as instituições mais ricas do mundo. Enquanto eles nos cobram 10% ao mês no parcelamento do cartão de crédito, eles nos pagam míseros 0,4% ao mês pelo nosso dinheiro que deixamos na poupança.

Podemos também citar o exemplo das ações. Com R$ 50,00, em julho de 1994, você compraria 50 ações da Petrobrás, que na época estava sendo cotada a R$ 0.95. 15 anos depois teríamos mais ou menos a quantia de R$ 1.500,00, excluindo do cálculo os dividendos e juros sobre capital que supostamente a empresa tenha pago no período.

Fica bem claro, portanto, que é muito melhor poupar do que dever, pois por mais que a remuneração recebida ao poupar seja pequena, ela pelo menos está a seu favor, e não jogando contra o seu patrimônio.

Mas quem aqui estava pensando em comprar 50 ações da Petrobras em 1994?

Se a educação financeira no Brasil ainda está anos luz do ideal, podemos imaginar a real situação naquela época. A classe média esta crescendo rapidamente hoje, e com mais dinheiro no bolso dificilmente a população vai se preocupar com educação financeira.

Estão todos muito ocupados no momento, pensando em que carro vai comprar no próximo ano, quantos quilos engordaram, qual o próximo lançamento da gigante Apple, se o seu time de futebol ganhou ou perdeu a partida do final de semana anterior, entre outras preocupações que não agregam valor algum.

E isso é uma pena. Tome cuidado e saia da manada o mais rápido possível.

bottom of page